terça-feira, 30 de agosto de 2011

Dádivas

Nos dias de hoje, ainda há quem me consiga surpreender.

Domingo foi dia de trabalho. Colheita de Sangue a 95Km de casa.

Saímos cedo, a viagem correu bem. A paisagem do meu Alentejo estava deslumbrante!

Chegámos ao nosso destino, uma pequena aldeia na fronteira entre o Alentejo e o Ribatejo, com pouco mais de 1037 habitantes (censos de 2001). Gente simples, trabalhadora rural que nos receberam muito bem.

Perto da hora do almoço, perguntaram-nos se almoçávamos por ali. Como habitualmente em dias de colheita de sangue, organizavam um almoço convívio para os dadores. Disseram-nos que não era nada de especial, sardinhas assadas (das congeladas, pois não moramos em zona marítima), pimentos assados, salada de tomate e batatas cozidas, tudo comparticipado pelos dadores que foram levando ao longo da manhã, cada um da sua horta.

Um pouco envergonhados fizeram-nos o convite, disseram que era coisa pouca, nada de grandes luxos. Quando dissemos que ficávamos a almoçar com eles, até os olhos sorriram. Estranhámos, mas mais tarde, soubemos o motivo. Quando as colheitas eram realizadas pelo IPS Lisboa, a equipa que vinha, acabavam as colheitas e iam almoçar para o hotel da Ponte de Sôr, nunca quiseram almoçar com eles, e naquele dia ali estávamos nós (médico, enfermeiras, técnica de análises, administrativa, auxiliar e motoristas) a querer almoçar com eles.

Almoçámos numa sala da junta de freguesia, com mesas e cadeiras da escola primária que ficava em frente, mas continuavam preocupados com a nossa comodidade. Para nós estava tudo bem. Quiseram vir servir-nos à mesa, mas achámos mais cómodo para todos cada um ir buscar a sua comidinha à banca onde esta se encontrava.

Aos poucos o convívio foi ficando animado.

No fim houve bolo e aguardente de medronho, eheheh.

Perguntaram-nos logo se daqui a seis meses lá voltaríamos!! Quem sabe!

16 comentários:

  1. É na mais pura simplicididade das pessoas, na sua humildade, que muitas das vezes encontramos o verdadeiro sorriso, o verdadeiro amor, o verdadeiro sentido da palavra amizade.

    Fico contente por teres sentido isso num dia de trabalho e principalmente num domingo.

    Bjs

    Luis

    ResponderEliminar
  2. Carlota,
    Sabe que há gente que julga que é neto de Marquês.
    E acham que são educados.
    Dizia-me, com toda a razão, um bom amigo - "um tipo educado sabe comer numa tasca, com as mãos, e num hotel de 5 estrelas, com talheres de prata, com a mesma naturalidade. O que só sabe comer no hotel não é educado. É afectado."
    Bjs

    ResponderEliminar
  3. Pois as coisas mais simples às vezes chegam a ser mais interessantes e mais divertidas do que grandes luxos. De certeza que foi algo diferente e que todos gostaram =)

    Beijos*

    ResponderEliminar
  4. Anónimo Luís.

    Nada fizemos de especial. Fomos nós (equipa) como somos sempre.
    Acima de tudo não há distinções entre nós, somos todos iguais e isso transparece nas brigadas.
    Dia de trabalho, a 95km de casa e num Domingo é dose, eheheheh

    Beijo

    ResponderEliminar
  5. Pedro.

    Tenho sorte em trabalhar com uma equipa que não liga nada a isso. Somos todos iguais.

    4 beijos

    ResponderEliminar
  6. Marisa Ferreira.

    Foi bonito sentirmo-nos acarinhados. Mas isso somos sempre, quando vamos para fora do hospital.
    Nós também somos pessoas simples, Marisa. Gente de trabalho!
    Beijo

    ResponderEliminar
  7. Passando por alguns blogs encontrei o seu e não teve como não gostar :) Já estou seguindo e convido você a conhecer o meu também! Beijos!

    Luciana Mira
    www.lucianamira.blogspot.com

    ResponderEliminar
  8. Estimada Comadre Carlota,
    Uma história real e muito dignificante, afinal somos todos iguais, o vosso gesto foi recebido de uma forma humilde mas cheia de amor, meus sinceros parabéns.
    É que nos dias de hoje todos se julgam doutores e não passam pivede a ninguém, mas felizmente ainda existe pessoas com humanismo, essas pessoas sois vós.
    Um abraço amigo

    ResponderEliminar
  9. Caro Compadre.

    Todos nós somos gente simples. Pessoas de trabalho.
    Estamos numa profissão que atendemos toda a gente, desde o mais simples ao mais rico, todos de igual modo. Quem gosta assim tudo bem, quem não gosta paciência, eheheheh

    Beijo

    ResponderEliminar
  10. Carlota, quem mexe com saúde, tem que ser simples e ponto. Esse tipo de carinho acaba por compensar muitos aborrecimentos.
    Ainda recebo queijo e abóbora por consultas...ADORO.

    bjs - das 5 e meu.

    ResponderEliminar
  11. Carlota
    É na simplicidade que está o verdadeiro sentido de transparência dos sentimentos, puros e sinceros, é muito bom conviver com pessoas assim.
    Beijinho

    ResponderEliminar
  12. Minhas princesas estrelares.

    A boa educação não tem berço. Ao longo da minha vida profissional tenho encontrado de tudo. E as gentes da terra, simples são as mais educadas.

    5 beijos

    ResponderEliminar
  13. Flor de Jasmim.

    Foi um domingo em cheio. A trabalhar, mas pronto!!

    Beijo

    ResponderEliminar
  14. Já pode satisfazer a curiosidade sobre os motivos que me levaram a escrever sobre a sua cidade, Carlota...

    ResponderEliminar